Desacorrentadas


Martha Medeiros

Se você alcança uma certa longevidade
e tem um parceiro bacana, mantenha-o, claro .
Mas se está sozinha e já teve vários bons romances,
vai procurar sarna pra se coçar a troco de quê?


O amor liberta? De certa forma, sim. Amar faz você desprender-se da razão, incorporar novos hábitos, expandir seus sentimentos, invadir recantos da sua alma nunca antes explorados. De fato, é bem poético e libertador amar.
Mas tem seus contratempos, lógico. A convivência entre duas pessoas nem sempre é um mar de calmaria, muitas concessões necessitam ser feitas, ou seja, alma gêmea não existe, é conversa. Ainda assim, é melhor estar amando do que não estar amando. Ao menos até uma determinada idade.
Circulam por aí reportagens que enaltecem o amor aos 70, 80 anos, dizendo que nunca devemos encerrar as buscas, que o amor merece ser encontrado em qualquer etapa da vida. Merece, mas tenho ressalvas a fazer.
Se você alcança uma certa longevidade e tem um parceiro bacana, mantenha-o, claro. Mas se você está sozinha da silva, já teve vários bons romances na vida e está em paz com a sua solidão, vai procurar sarna pra se coçar a troco de quê?
Há duas mulheres famosas na faixa dos 60 anos que, depois de amarem muito, já manifestaram publicamente a sua desistência em seguir procurando companhia (ainda que eu intua que esse desprendimento ainda vai lhes proporcionar novas surpresas amorosas). Mas, enfim, são mulheres inteligentes e bem resolvidas, e essa postura de “largar de mão” me inspirou: pretendo seguir a mesma cartilha. Não que eu colecione desilusões, pelo contrário. Não tenho do que me queixar. Já vivi o lado zen e o lado tsunâmico do amor, e o saldo é de puro prazer e gratidão. Sou totalmente pró-amor, nem penso em aposentadoria agora. Mas o agora vai se transformar em depois, e depois é outra história.
Estou sem a menor pressa de que o tempo passe, mas vai passar e quando eu chegar nos meus 60 e tantos, bem saudável, independente e mantendo o espírito da juventude (estão rindo do quê?), pretendo curtir a vida mais do que já curto hoje. E não haverá problema em estar sozinha, caso estiver. Quem tem amigos, não se aperta. Ainda mais quando são amigos de diversas tribos, diversas idades, gente com a cabeça aberta, o humor tinindo, bem informados - existe turma melhor? Depois de uma noitada regada a ótimas conversas, você pega sua bolsa e volta pra casa, pega seu livro, se esparrama na cama e dorme até a hora que quiser, se for final de semana - e se não for, também.
Além de amigos, ter algum dinheiro é importante, lamento tocar nesse assunto desagradável. É ele que possibilitará que você viaje, vá a shows, receba gente querida em casa, se presenteie com pequenos mimos. Sim, você pode fazer tudo isso com um parceiro ao lado, mas não na hora que você bem entender e sem dar satisfações. Tudo terá que ser negociado. E será preciso abrir espaço na agenda para os amigos dele, a família dele, as carências dele, as doenças dele, as galinhagens dele. Será que, maduríssima da silva, terei tempo e paciência para me dedicar tanto assim à manutenção de uma relação nova? Sem falar em continuar tendo que se preocupar com o próprio corpo, com as artimanhas da sedução, com o sexo. Ai, o sexo... Sentirei saudades.
Poético e libertador é pensar que nunca estarei sem ninguém, porque chega uma hora em que a gente decide que é alguém, e basta.



4 comentários:

Káthia Marchand disse...

Sabe Noah...

Teve um tempo que eu acreditei muito em príncipe encantado, e isso já se vai um tempão atrás... rsrsrsrsrsrs... mas, o fato é que de alguma maneira, isso fazia parte da minha estória.

Isso não aconteceu e de alguma forma, não sei o porque, eu fico achando que eu um dia ainda vou ser mto feliz.
Que ainda vou achar o companheiro bacana, que concilia o gosto dele com o meu, e etc...

Tenho medo que essa ilusão que eu criei, ou sonho.. sei lá... não aconteça... porque aí, eu vou ter certeza que fui uma adolescente que não amadureceu.
Ficar sozinha não é um bicho de 7 cabeças, mas, eu queria achar esse "danado"... hahahahahaha...

Vejo amigas com 20 anos de convivência, vidas mto compartilhadas com o bem e o mal do casamento, e ainda felizes.
Amigas e amigos gays completamente felizes em suas relações, e eu me pergunto o porque de eu estar sozinha.
E eu me respondo:
- Não consigo deixar de ser livre, isso espanta qualquer homem que queira uma companheira para o lar.
Eu amo o lar, mas, amo artesanato, amo sair, viajar, ficar com amigos, ir e vir.
E não teria um homem que quizesse isso?
A maioria não quer assim.
Temem mulheres independentes.
Ser romântica e moderna ainda deve ser um ingrediente perigoso para alguns deles... rsrsrsrs


Meu amor, beijokas imensas para vc!

Káthia Marchand disse...

Ahhh Noah, eu esqueci de dizer que amei o seu reloginho e fui lá conferir!!!

Gente cada um mais lindo que o outro!
Não resisti ... amei!

Beijinhos!

Linda disse...

Olá amiga!

........\ Venho deixar
....._.;_'.-._
...{`--..-.'_,} esta rosa
.{;..\,__...-'/}
.{..'-`.._;..-';E
....`'--.._..-'
........,--\\..,--.agradecer
........`-..\(..'-...todo
...............\.;.o apoio
......../....-'.)..\deixado
........\,---'`...\\
....................
....._.;_'.-._
nos comentários.
Bom fim de semana
Beijinhos
Linda

Lia Lyra disse...

Ótimo texto!
Podemos ter a companhia de pessoas maravilhosas, mas é preciso também ser uma delas para que nos momentos a sós (e não de solidão) estejamos felizes conosco.

Meu abraço de gaúcha.
Lia Lyra.

Related Posts with Thumbnails